Detalhe automóvel: Swirls

Car Detail | | 4 Comentários | 2144 Visualizações

Para compreender o que são os swirls, é fundamental perceber em primeiro lugar o que é uma pintura típica de um automóvel moderno. A chapa dos automóveis actuais sofre um tratamento anti-corrosão composto por diversas fases. Em seguida recebe uma ou mais camadas de primário e só em seguida uma fina camada colorante, a tinta. Uma vez que a camada de tinta é bastante fina e frágil, é então depositada uma camada de verniz, bastante espessa, que quando comparada com as camadas de primário e de tinta, mas que ainda assim tem espessuras da ordem das dezena de mícron (1 mícron = 1/1000 mm), para a proteger.

swirls detalheDepois desta breve introdução, passemos então aos swirls. Os swirls são na realidade riscos na camada mais superficial do verniz. Estes riscos são causados pelas lavagens automáticas (por exemplo em rolos), lavagens incorrectas (sem antes passar o carro por água), lavagem com esponjas e/ou panos sujos. Até mesmo o facto de uma pessoa se encostar ao carro é suficiente para gerar swirls.

Porque são visíveis os swirls?
Sempre que existem arestas vivas a luz que já havia sido difractada, é “aglomerada”, voltando a unir todos as “cores” que compõem a luz branca, a semelhança do que acontece num prisma. É por este facto que independentemente da cor do carro, os swirls são sempre de cor branca.

É a mecânica Newtoniana que explica o porquê dos swirls serem circulares. Se iluminarmos um determinado ponto, a luz será difundida de igual forma para todos os lados. Esses raios de luz irão atingir a superfície do verniz onde se encontram os swirls à mesma distância do ponto onde incidiu a luz inicialmente. Ora a figura geométrica que tem todos os pontos a mesma distância do centro é uma circunferência. Vemos vários swirls e não apenas um, porque a luz que incide tem vários ângulos e vários pontos de incidência.

Assim sendo, podemos «atacar» os swirls sob duas perspectivas. A primeira é alisar a superfície através da deposição de partículas (tipicamente silicone – doravante apelidados de “fillers”) nas fendas que constituem os swirls, ou podemos remover as arestas vivas por desbaste de verniz. Numa primeira aproximação, o preenchimento seria uma opção mais conservadora, mas apresenta uma grave lacuna. O seu efeito é apenas temporário. Com as lavagens, as chuvas, as agressões causadas por poluição e outros agentes externos, acabam por desaparecer os “fillers” e os swirls voltam a ser visíveis. Por seu lado, o desbaste de verniz é mais agressivo, mas é duradouro. Enquanto não voltarem a riscar o verniz, não existem swirls.

car detail

4 Comentários

  1. kurodio

    Bem, a Honda abençoou.me…não, essa não é a palavra certa…amaldiçoou.me com uma tinta que é tão molezinha e fina que basta o carro roçar no ar que fica com riscos. Não importa os cuidados, os swirls nao desaparecem e cada vez aparecem mais. Parece que criaram resistência ao detalhe e nao se querem ir embora.

  2. jorge costa

    Lavagens com escova, manuais ou automáticas, provocam isto – sempre! O meu carro tem 8 anos, sempre foi lavado com jacto de água ou esponja. A pintura está em excelente estado. Zero swirls.

  3. gymkhana

    A esponja também pode fazer swirls.
    E o jacto de água não lava bem, para lavar bem tem de ter tanta pressão que até a tinta se vai embora, hehe!

  4. QMaia

    O meu tenho que levar a uma casa de detalhe um dia destes, tem uns quantos swirls.
    Num dos empregos que tive, o unico lugar para estacionar era debaixo de umas arvores e estava sempre cheio de lixo organico, era complicado o lavar…

Inicie sessão ou registe-se para comentar.